Claudio Janta defende emendas para Centros de Atendimento do Autista

Centro de Referência para o autismo está entre principais reivindicações de familiares na Capital. (Foto: Patrícia Cordeiro)
Centro de Referência para o autismo está entre principais reivindicações de familiares na Capital. (Foto: Patrícia Cordeiro)

O vereador Claudio Janta manifestou a intenção de destinar recursos do orçamento impositivo da Câmara Municipal (cerca de R$ 1 milhão por vereador) para a implantação de um Centro de Referência do Autismo na Capital. A proposta foi debatida nesta terça-feira (24), em reunião da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos do Autista, após a apresentação do caso de sucesso do Centro de Atendimento ao Autista de Pelotas, em atividade desde 2014. Além de dedicar a sua parcela dos recursos para consolidar o serviço, Janta conclamou para mobilização através de abaixo-assinado a fim de sensibilizar outros parlamentares e esferas.

“A demanda do autismo é invisibilizada pela falta de dados concretos sobre essa população, mas sabemos que ela é muito grande e não conta com os recursos públicos necessários. Recentemente vimos deputados abrindo mão de valores destinados às emendas parlamentares que também podem ser dedicados à causa em todo o Estado, vamos mobilizar para isso”, defendeu.

A proposta foi apresentada após a palestra de Débora Jacks, diretora do Centro de Atendimento ao Autista Dr. Danilo Rolim de Moura. Em funcionamento desde 2014 na cidade de Pelotas, a instituição iniciou atendendo a 58 autistas. Hoje, são mais de 450 pessoas, entre crianças, adolescentes e adultos, com acesso a múltiplas terapias e acompanhamento de especialistas de diversas áreas.

“Às vezes as pessoas acham que é preciso recursos caríssimos, mas não é verdade. Demanda financeiro, demanda uma série de coisas, mas o principal é ter vontade de fazer”, manifestou.

Abordando uma série de aspectos técnicos sobre o funcionamento do serviço, a diretora enfatizou a atuação dedicada à intervenção precoce, que se dá dos 3 aos 6 anos de idade. O serviço é prestado com base nas diretrizes de atendimento desenvolvidas pela Universidade do Minho, em Portugal, adaptado ao modelo brasileiro com auxílio da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). A palestra pode ser conferida na íntegra, clicando aqui.