Proponente do Censo da Esquizofrenia, vereador Claudio Janta visita associação em Porto Alegre

Proponente do Censo de Inclusão da Esquizofrenia, o vereador conheceu as instalações da Agafape / Foto: Patricia Cordeiro
Proponente do Censo de Inclusão da Esquizofrenia, o vereador conheceu as instalações da Agafape / Foto: Patricia Cordeiro

O vereador Claudio Janta (Solidariedade) realizou, na última semana, visita à sede da Associação Gaúcha de Familiares de Pacientes Esquizofrênicos (Agafape). Ele é proponente do projeto que visa instituir o Censo de Inclusão da Pessoa Esquizofrênica, em tramitação no legislativo municipal, apresentado após apelo da entidade.

“Já havíamos conduzido a aprovação do Censo de Inclusão do Autismo e protocolado o censo da síndrome de Down, que são lutas que abraçamos há algum tempo na Câmara de Porto Alegre. Com muita honra, fomos procurados pela Agafape para avançarmos na questão das pessoas com esquizofrenia e esperamos que o Censo ajude a dar visibilidade às suas necessidades e combater os preconceitos em torno da doença”, afirmou o vereador.

Visitando as instalações da associação, que atua há mais de 27 anos de forma voluntária na orientação e inclusão de familiares e pessoas diagnosticadas com esquizofrenia, o vereador foi recebido pela direção da entidade, conferindo algumas das atividades realizadas junto às pessoas atendidas pela instituição. Encerrando a visita, o vereador efetuou a entrega simbólica do projeto à diretora Georgina Bond-Buckup.

Censo de Inclusão da Pessoa Esquizofrênica

Protocolado no último dia 11 de março, no Legislativo da Capital, o projeto visa a análise do quantitativo e a identificação do perfil socioeconômico da pessoa esquizofrênica no Município de Porto Alegre. Através do programa, similar aos censos de inclusão do autismo e da síndrome de down, também propostos pelo vereador, os dados levantados devem auxiliar no melhor direcionamento de políticas públicas para contemplar as necessidades desta população.

No Brasil poucos dados estão disponíveis, mas estima-se que haja cerca de 1,6 milhão de esquizofrênicos. Em estudos compilados no site do Ministérios da Saúde, datasus.gov.br, no período entre agosto de 2012 e agosto de 2013, foram registrados 93.364 internações e 364 óbitos atribuídos à esquizofrenia.

No Rio Grande do Sul, entre 2009 e 2011, registraram-se 9.389 internações hospitalares no Sistema Único de Saúde (SUS) de pessoas com diagnóstico de esquizofrenia, contabilizando 29,2 internações por 100.000 habitantes no estado. Dessas internações, 77% foram do sexo masculino, com maior número na faixa etária entre 25 e 29 anos. Do sexo feminino 33% foram do sexo feminino e o predomínio ficou na faixa etária entre 45 e 49 anos.