Vereadora articula possível convênio para ampliação de atendimentos de fisioterapia

Tatiane Frizzo participou de reunião na Secretaria da Saúde | Foto: Douglas Barreto
Tatiane Frizzo participou de reunião na Secretaria da Saúde | Foto: Douglas Barreto

A vereadora Tatiane Frizzo (Solidariedade) participou de uma reunião, na última quinta-feira (14), na Secretaria Municipal da Saúde (SMS). O encontro contou com uma equipe técnica da pasta e a coordenadora do curso de Fisioterapia da Anhanguera Educacional de Caxias do Sul, Laura Zago, tendo como pauta a realização de uma parceria entre a instituição de ensino e o poder público. A intenção é que os estudantes de fisioterapia, em seus estágios curriculares, possam atender usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), com orientações de professores.

Conforme a coordenadora do curso de Fisioterapia da Anhanguera, a clínica da instituição será aberta no Bairro Ana Rech. Laura Zago explica que os atendimentos ocorrerão a partir de março de 2020, com funcionamento no turno da noite, sem custos à população.

“Os atendimentos estarão disponíveis para todas as idades. Em um primeiro momento, serão, em média, 35 atendimentos mensais. A expectativa é que o número de consultas cresça nos próximos semestres, por conta dos estágios dos alunos. Os atendimentos vão ao encontro das pessoas que não conseguem realizar fisioterapia devido ao horário de trabalho.”, ressalta a coordenadora.

Para Tatiane Frizzo, que possui formação acadêmica em fisioterapia, há muita procura por tratamento no Município, porém, a população tem dificuldade de agendar atendimentos, em razão do alto número de pessoas em lista de espera.

“Essa medida vai auxiliar muito a população que necessita de fisioterapia. Uma das clínicas que prestava serviço para a cidade rompeu o contrato com a Prefeitura. Isso está gerando acúmulo de atendimento em nosso Município.”, destaca a parlamentar.

Conforme os técnicos da secretaria, existem, aproximadamente, 2 mil pessoas na lista de espera para atendimentos de fisioterapia. Segundo os servidores, 60% dos casos são de pacientes com problemas neurológicos.

Durante a reunião, ficou acordado que a instituição de ensino fará um projeto, com plano de trabalho, para viabilizar o convênio. Após a entrega do documento, o poder público irá verificar a possibilidade da parceria.