Polarização além do limite

A máxima “sempre há dois lados” costuma ser um convite ao exercício da visão da perspectiva oposta. Na política, contudo, ela acaba reduzida à crença limitante de que só existem dois lados: direita e esquerda, situação e oposição, “bolsonaristas” e “petistas”. A polarização extrema que vende e se alimenta da imagem de um país dividido, parece fomentar o surgimento de uma espécie de torcida organizada – fiel, desprovida de senso crítico e movida à paixão – disposta a arriscar vidas, inclusive a própria, por um discurso em que nem mesmo o primeiro escalão do governo deposita convicção.

A retomada da atividade econômica, tensionada aqui no Estado por entidades representativas da cadeia produtiva gaúcha, está no centro de um impasse compartilhado ao redor do mundo, entre os atingidos pela epidemia de Coronavírus e pelo receio de uma crise de proporções igualmente globais. No afã de aliviar as tensões do mercado, o trágico pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro não apenas atuou para desmobilizar a população em uma matéria de saúde pública sem precedentes, como conclamou empreendedores contra determinações de governos estaduais e municipais.

Uniformizada de verde e amarelo e motivada pelo reflexo das próprias preocupações estampadas no lema “o Brasil não pode parar”, a torcida ressurgiu. Em carreatas, alguns saíram a bordo de Mercedes Benz quatro portas, na expectativa de que os funcionários voltem a lotar aquela que transforma 44 em 80 lugares no horário de pico.

A preocupação dos empresários é compreensível e legítima, mas não justifica a defesa dos atalhos irresponsáveis do presidente, que não vê problema em expor seu povo àquilo que dizima populações onde se adotou o mesmo slogan – “Milão não para” rendeu quase 5 mil mortos. As saídas, neste momento, não estão nas mãos dos trabalhadores, mas da trégua por políticas de contingência para minimizar os danos, preservando vidas e empregos. Vamos vencer pela paciência e pela fé, ou ser derrotados por pressa e ganância.

Claudio Janta
Presidente do Solidariedade RS